Cidadania

CAPS de Santa Inês realiza atividades para o ‘Dia Nacional da Luta Antimanicomial’ Publicada em 19/05/2017 12:13:38

Data celebra o fim dos tratamentos em hospitais psiquiátricos

 

            Como um importante evento para reflexão do ‘Dia Nacional da Luta Antimanicomial’, cuja data oficial é o dia 18 de maio, o Centro de Atenção Psicossocial - CAPS, de Santa Inês, realizou durante a manhã de quinta-feira, 18, uma extensa programação de atividades de conscientização envolvendo as pessoas atendidas do serviço especializado em saúde mental, familiares e população em geral.

            Realizado na própria unidade, o CAPS contou com inúmeras atividades reservadas às pessoas atendidas, incluindo trabalhos artesanais, a TV “Maluco Beleza” onde eles entrevistavam, filmavam e registravam em fotografias teatralmente e mostravam situações e testemunhos de vida em suas casas e no meio social, as atividades se estenderam com poesia autoral recitada, coral e palestras. Ao final das atividades, a coordenadora do CAPS, Joseane Muniz, trouxe um pássaro em uma gaiola para que eles soltassem a ave, como ato simbólico de liberdade.

“Este dia representa a garantia dos direitos para quem sofre de transtorno mental. “A ideia é de substituir os hospitais psiquiátricos por serviços abertos de tratamento: o territorial, isto quer dizer, que o paciente não fique isolado da sociedade e possa ser tratado na cidade pelo CAPS” explica a coordenadora.

O Caps de Santa Inês conta com Assistente social, dois psiquiatras, terapeuta educacional, psicóloga, artesã, dois farmacêuticos, dois técnicos de enfermagem, agente administrativo, duas zeladoras, duas cozinheiras e dois vigias. Os profissionais da área estiveram envolvidos na programação que marcou o dia de hoje e falaram sobre os preconceitos que ainda persistem nos dias atuais.  “ Por isso a importância das diversas ações para garantir esses direitos. É preciso conscientizar as pessoas que desconhecem o tema. O paciente que passa pelo sofrimento mental, além do cuidado e tratamento adequado, também tem o direito à liberdade. Vamos combater a ideia do isolamento dessas pessoas, ” finaliza Joseane Muniz.

As atividades foram encerradas com apresentação dos trabalhos artesanais e um delicioso almoço.

 

A luta:

            O movimento da luta antimanicomial começou no Encontro Nacional de Trabalhadores da Saúde Mental, em 1987, na cidade de Bauru, interior de São Paulo. Na época, haviam denúncias de abusos e violação de direitos humanos sofridos pelos usuários dentro dos manicômios. Por esse motivo, lutavam pelo fim deste tratamento e instalação de serviços alternativos. Agora, a lei 10.216/2011 determina o fechamento progressivo dos hospitais psiquiátricos e substituição por CAPS, residências terapêuticas, programas de redução de danos e centros.

 

  

  

  

  

Mais em Cidadania


Receba nossa Newsletter Deixe seu nome e e-mail