Saúde

Janeiro Roxo: Secretaria de Saúde realiza intensificação das ações de combate à Hanseníase Publicada em 11/01/2018 11:52:21

Com o objetivo de desenvolver e implementar estratégias para o controle da hanseníase, a Secretaria Municipal de Saúde de Santa Inês realizou reunião e treinamento de atualização sobre o controle da doença. A reunião e capacitação foi realizada nos dias 09 e 10 no Auditório da Prefeitura e foi direcionada aos profissionais da Atenção básica, enfermeiros e médicos que atendem usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) e Agentes Comunitários.

O treinamento faz parte da campanha “Janeiro Roxo”. O desconhecimento separa as pessoas, entre elas e também dos serviços públicos. Embora exista cura para a hanseníase, a doença milenar ainda é vista como tabu pela sociedade. A Prefeitura de Santa Inês, através da Secretaria Municipal da Saúde, disponibiliza todo o aparato necessário para o diagnóstico e tratamento eficaz para essa patologia, bem como profissionais treinados e capacitados.

“É importante que as pessoas saibam que a hanseníase tem cura e que o tratamento é gratuito, e está disponível em todas as unidades básicas de saúde do município. Os pacientes fazem o tratamento na unidade mais próxima da sua residência e qualquer intercorrência, o paciente é encaminhado para o Djalma Marques, onde dispomos da referência”, salientou Socorro Oliveira, coordenadora do programa de hanseníase do município.

Na manhã de terça-feira, 09, foi realizada reunião com médicos e enfermeiros. Na quarta e quinta-feira, foi realizada uma capacitação com os 218 agentes de saúde e atividades de Educação em Saúde para que favoreçam a redução do estigma e do preconceito sofrido pelas pessoas acometidas pela doença.

 

O que é a doença?

A hanseníase é doença infecciosa, crônica, causada por uma bactéria Mycobacterium leprae e que afeta a pele e os nervos periféricos, em especial os dos olhos, braços e pernas. A hanseníase tem cura e se tratada precocemente e de forma adequada, pode evitar sequelas.

Qualquer mancha na pele ou área de pele aparentemente normal, mas com alteração de sensibilidade, pode ser hanseníase. Neste caso o paciente deve procurar uma unidade básica de saúde de seu bairro para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento.

A hanseníase é transmitida por meio das vias respiratórias, tosse e espirros emitidos por uma pessoa contaminada e por contato prolongado. Não se contrai hanseníase por meio de copos, pratos, talheres, nem em assentos, apertos de mão, abraço, beijo, picada de inseto, aleitamento materno, doação de sangue, relação sexual ou gravidez.

O tratamento tem duração de seis a 12 meses e é oferecido gratuitamente pelo município. Já no início a pessoa deixa de transmitir a doença, por isso, não deve ser separada de sua família nem interromper atividades rotineiras.

 

Prevenção

A melhor forma de prevenir a doença é mantendo o sistema imunológico eficiente. Ter boa alimentação, praticar atividade física, manter condições aceitáveis de higiene também ajudam a manter a doença longe, pois, caso haja contato com a bactéria, logo o organismo irá combatê-la.

Outra dica importante é convencer os familiares e pessoas próximas a um doente a procurarem uma Unidade Básica de Saúde para avaliação, quando for diagnosticado um caso de hanseníase na família. Dessa forma, a doença não será transmitida nem pela família nem pelos parentes próximos e amigos.

 

 

 

Capacitação realizada com os agentes de saúde do município

Mais em Saúde


Receba nossa Newsletter. Deixe seu nome e e-mail!